Uma pesquisa realizada pela Associação Paulista de Medicina entre os dias 15 e 25 de maio por meio de formulários digitais com 2.808 profissionais, apontou que 84,5% dos médicos acreditam que a pior onda da Covid-19 ainda está por vir.

A pesquisa, diz a entidade, tem o objetivo de mapear opiniões e condições de trabalho dos médicos brasileiros diante da pandemia do novo coronavírus. A pesquisa contou com 51,6% de homens e 48,4% de mulheres. Do total, 49% atuam em especialidades clínicas, outros 29% com especialidade cirúrgicas, 13% são pediatras, 5% trabalham com exames de imagem e 4% com psiquiatria. Há representantes de 24 estados brasileiros. Cerca de 47% fazem atendimentos no estado de São Paulo.

O que uma boa noite de sono tem a ver com imunidade?
Dos participantes, a grande maioria atende até cinco pacientes (75,3%) com Covid-19 por dia. Os que atendem entre seis e dez pacientes por dia chegam a 14,8%. Com o cenário geral da pandemia, 68,8% se dizem apreensivos e 15,4% estão tranquilos. Os deprimidos chegam a 3,7%.

O quesito que mais dividiu opiniões envolve estrutura e insumos de segurança disponíveis para o trabalho de profissionais diante da pandemia. Cerca de 50,3% dizem que a quantidade é suficiente. Outros 49,7% afirmam que o estoque é inferior ao de que a sociedade precisa.

Em relação a uma possível falta de médicos para adequada atenção à saúde, 71,4% acham provável que isso ocorra. Outros 28,6% acreditam que o cenário é improvável ou pouco provável.